Análise coopetitiva – um modelo para redes horizontais de empresas

Rodolfo Reinaldo Hermes, Luis Mauricio Resende, Pedro Paulo Andrade Júnior

Resumo


As redes de cooperação horizontais vêm sendo interpretadas como um modelo econômico, que tem por objetivo o apoio ao desenvolvimento evolutivo, principalmente de micro e pequenas empresas, em função de sua atuação de forma conjunta/cooperada e sinérgica, resultando na potencialização da competitividade das empresas que as compõe, refletindo diretamente na economia loca e regional ao torno da localização da rede. Desta forma, esta pesquisa tem por objetivo propor um modelo de análise dos níveis de competitividade de redes de cooperação horizontais de empresas. Para tanto, foi determinado o foco de análise do modelo sobre as dimensões Cooperação e Competência das empresas constituintes da rede, das quais se estruturaram na proposição dos Fatores Críticos de Sucesso – FCSs e as variáveis que os compõem, através de uma pesquisa bibliográfica com base em parâmetros sistemáticos pré-estabelecidos. Para estruturação matemática do modelo, utilizou-se o método AHP (Analytic Hierarchy Process) para a atribuição e ponderação dos níveis de intensidade e importância aos FCSs. Partindo desta base, construiu-se o Diagrama Cooperação X Competências que apresenta o posicionamento coopetitivo geral da rede e em particular de cada empresa constituinte dessa. Assim, o modelo proposto, permite a construção de uma base estruturada para a avaliação dos níveis de competitividade de RCHs. Ainda, construiu-se uma ferramenta capaz de ultrapassar o limite do diagnóstico coopetitivo da rede de cooperação em análise, conseguindo identificar pontualmente as lacunas e falhas das quais limitam seu bom desempenho coopetitivo, causando retardamentos significativos no desenvolvimento evolutivo dos níveis de competitividade desta.

Palavras-chave


Redes de Cooperação Horizontais; Coopetição; Fatores críticos de sucesso

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.