Território, Ruralidade e Desenvolvimento Regional

Cláudio Machado Maia, Eduardo Ernesto Filippi, Mario Riedl

Resumo


O estudo apresenta a tensão entre o global e o local numa abordagem que descreve uma nova forma de gestão do desenvolvimento que considera o potencial endógeno de desenvolvimento de uma região. Na perspectiva de espaço de reprodução social, a pluriatividade é abordada como alternativa de reação às problemáticas da presença da globalização na agricultura e como se deu a adaptabilidade do agricultor familiar ao capitalismo globalizante através de atividades agrícolas e não agrícolas. Ao considerar o rural como território, busca-se o enfoque integral da sociedade rural e a dinamização de suas próprias economias, o que possibilita o avanço em nova concepção de políticas públicas. Caracterizando uma nova ruralidade, ao definir o âmbito rural como território construído a partir do uso e da apropriação dos recursos naturais, de onde são gerados processos produtivos, culturais, sociais e políticos. Apresenta-se estudo de caso do município de Crissiumal, localizado na região noroeste colonial, no Rio Grande do Sul, que adotou uma nova forma de gestão do desenvolvimento a partir de seu potencial de desenvolvimento endógeno. A metodologia e o marco teórico adotados consideram o território e a “nova ruralidade” na perspectiva de uma nova forma de gestão do desenvolvimento.

Palavras-chave


pluriatividade rural, sustentabilidade, agricultura familiar, desenvolvimento endógeno.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.