ARTESANATO E MERCADO SIMBÓLICO DOS PRODUTOS GAUCHESCOS: O CASO DA VILA PROGRESSO EM CAÇAPAVA DO SUL/RS

Daiane Loreto de Vargas, Janete Webler Cancelier

Resumo


O artesanato tem origem imprecisa, parece ter surgido com as necessidades de homens e mulheres, os quais confeccionavam objetos básicos para a vida cotidiana. Um exemplo típico são as peças artesanais confeccionadas em lã, couro e madeira pelas comunidades rurais da Campanha, no estado do Rio Grande do Sul. No passado, tais artigos eram confeccionados e comercializados através das relações do convívio social dos artesãos, os quais na maioria das vezes eram camponeses. Na contemporaneidade esse cenário transformou-se, o espaço comercial do artesanato rústico e tradicional ganhou apreço da população urbana e expandiu-se para além dos limites territoriais do estado do RS. Com o objetivo de entender a dinâmica comercial dos produtos artesanais, realizou-se uma pesquisa na comunidade rural de artesãos na Vila Progresso em Caçapava do Sul/RS, a qual metodologicamente configura-se como um estudo de caso, de caráter qualitativo e enfoque socioantropológico. Os métodos utilizados para a coleta de dados foram a entrevista semiestruturada, a prática da observação e da fotografia. Analisando o estudo realizado na comunidade, percebe-se que o cenário de mercado simples no passado, tornou-se um sistema comercial diversificado na atualidade, abrangendo vários produtos simbólicos e tradicionais do cenário cultural do Pampa Gaúcho. O crescimento desse mercado deu-se em função da demanda dos consumidores, os quais influenciaram no aumento da produção das peças artesanais e na ampliação das estratégias comercias dos produtos a serem adotadas pelos artífices, como vendas em feiras comerciais e para lojas de produtos gauchescos nos centros urbanos.

Palavras-chave


Artesanato, Mercado Simbólico, Produtos Gauchescos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.