A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA DAS MARCAS VERDES

Giovana Goretti Feijó Almeida, Silvio Cezar Arend, Vonia Engel

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar o relatório da Interbrand, que elenca um ranking de marcas sustentáveis chamadas de marcas verdes, cujo apelo ecológico é utilizado estrategicamente com o intuito de promover a venda de seus produtos. Apresenta-se assim uma questão importante para as marcas nesse novo contexto do século XXI: como ir além do mero discurso da sustentabilidade ambiental. Torna-se relevante este estudo considerando que, neste novo contexto, marcas que não tem essa preocupação podem estar condenadas à extinção. O estudo compreendeu a revisão das teorias de branding, de desenvolvimento sustentável e de ecodesenvolvimento, assim como a investigação do relatório das cinquenta melhores marcas verdes globais do ano de 2014, disponibilizado no relatório da Interbrand, avaliando o ramo de atividade das empresas listadas no relatório, sua linha de produtos e o uso de recursos naturais e energia em sua produção. Os resultados apontam que a sustentabilidade apresentada pelas empresas corresponde a uma visão de mundo utilitarista, percebendo o meio ambiente como insumo para a atividade econômica, privilegiando a dimensão econômica (lucro) em detrimento da dimensão ambiental, de acordo com os preceitos da sustentabilidade fraca, de perfeita substituição entre o capital natural e o capital construído.

Palavras-chave


Marcas. Branding. Sustentabilidade ambiental. Marketing verde. Consumo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.