ENTRE O TRADICIONAL E O MODERNO: O ARTESANATO DE BRINQUEDOS DE MIRITI COMO “CULTURA DE TRANSIÇÃO”

Rodrigo Marques Leistner

Resumo


O trabalho analisa as experiências sociais relativas aos coletivos de artesãos de brinquedos de Miriti, da cidade de Abaetetuba (PA), buscando compreender os tensionamentos que emergem da aproximação desses coletivos com a esfera pública contemporânea, especialmente a partir do contato com as políticas de fomento ao artesanato no país. Tais tensionamentos decorrem das contradições entre saberes locais e os imperativos do mercado e da burocracia institucional, numa lógica por meio da qual as especificidades das coletividades “tradicionais” tendem a ser desvalorizadas. Contudo, mais do que um conflito entre tradição e modernidade, os dados revelam modos alternativos pelos quais aqueles grupos organizam sua inserção na esfera pública, as próprias práticas e artefatos culturais desenvolvidos operando na mediação material e simbólica de suas aproximações com a modernidade urbana e capitalista. É possível avaliar que as práticas e objetos que envolvem esse artesanato correspondem a uma “cultura de transição”, a qual expressa o movimento de atores sociais “em trânsito” por entre espaços periféricos e centrais, rurais e urbanos, tradicionais e modernos. Etnograficamente, a observação dessa “cultura de transição” parte da análise de um constante fluxo de pessoas, objetos e significações que circulam por entre os diferentes contextos de surgimento do artesanato de brinquedos de Miriti, sobretudo no que compreende a aproximação entre as regiões ribeirinhas e as zonas citadinas periféricas no processo de urbanização da cidade de Abaetetuba.

Palavras-chave


Práticas Artesanais. Políticas Culturais. Tradição e Modernidade. Culturas de Transição.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.