AÇÕES E PRÁTICA CULTURAIS JUVENIS: APROPRIAÇÕES DE ESPAÇOS PÚBLICOS EM JOÃO PESSOA

Marco Aurélio Paz Tella

Resumo


Este artigo propõe apresentar e analisar formas de se relacionar e ocupar espaços urbanos, a partir de práticas culturais conhecidas como “sinal”, protagonizadas por dançarinos conhecidos como b-boys, nos semáforos de trânsito na cidade de João Pessoa. Pela prática do “sinal”, entendem-se breves inserções nas faixas de pedestres, em que b-boys apresentam uma coreografia e, ao final, pedem dinheiro aos motoristas dos automóveis. Pretende-se refletir sobre a perspectiva de subversão e ressignificação do uso do espaço a partir de uma prática artística. O trabalho de campo, especificamente para esse artigo, acontece desde outubro de 2016, em alguns semáforos, com conversas informais nos intervalos das apresentações e, posteriormente, com a realização de entrevistas gravadas. Esse artigo faz parte de uma pesquisa em que se pretende mapear a presença e as práticas culturais dos grupos do estilo break-dance – uma das artes da cultura hip-hop – na capital paraibana. Essa abordagem ganha relevância em um contexto de preocupação, por parte de alguns, sobre um processo de esvaziamento dos espaços urbanos. De modo mais amplo, pretende-se observar e analisar a percepção desses jovens dançarinos sobre a cidade e seus espaços urbanos.

Palavras-chave


Espaço Urbano. Lugar. Subverter. B-boy.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X

RBGDR está indexada em: