O DISCURSO GLOBAL DA ECONOMIA CRIATIVA – FRAMEWORKS – PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Adriano Pereira de Castro Pacheco, Elcio Gustavo Benini, Milton Augusto Pasquotto Mariani

Resumo


Este artigo analisa os principais discursos dos organismos internacionais dedicados ao desenvolvimento de plataformas de gestão e organização da Indústria e Economia Criativa (EC) bem como suas influências na agenda global de formulação de políticas públicas. O artigo traz à baila a temática de uma nova economia intensiva em criatividade e seus transbordamentos estratégicos com a inovação, com a sustentabilidade e com a diversidade cultural. Por meio da Análise de Discurso (AD) da escola francesa, buscou-se caracterizar as diferentes abordagens adotadas por esses organismos, especificamente a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Identificadas as principais caraterísticas de cada relatório – dimensão setorial da indústria, os efeitos de sentido e as condições de produção do discurso da Economia Criativa em cada organismo –, procedeu-se à comparação dos documentos com o Plano Brasil Criativo, do Ministério da Cultura. Os resultados apontam para o desenvolvimento de um constructo multidimensional de instrumentos para a gestão estatal da EC – apoiados em ativos simbólicos específicos e singulares de cada país – conferindo à UNCTAD e à Unesco posição de vanguarda e influência na elaboração de políticas públicas para o setor criativo, inclusive no contexto Brasil. As discussões em torno das transações de ativos intangíveis e simbólicos contribuem, ainda, na geração de novos insights para a organização setorial da Economia Criativa nacional.

Palavras-chave


Economia Criativa. Indústria Criativa. Ministério da Cultura. UNCTAD. Política Pública.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.