Criminalidade: um estudo sobre os determinantes de crimes contra o patrimônio a partir externalidades urbanas

Carlos Roberto Souza Carmo

Resumo


O crescimento populacional desorganizado provoca a expansão urbana para o subúrbio das grandes cidades. Isso, por sua vez, gera problemas relacionados à política, à cultura, à economia, entre outras áreas, e, em especial, problemas relacionados à criminalidade urbana. Nesse contexto, assumindo como pressuposto o fato de que o estudo e a compreensão dos determinantes dos crimes contra o patrimônio, pelo menos, nuclearmente, poderiam ser alvo de estudos em um âmbito municipal, essa pesquisa teve por objetivo geral analisar como as características externas (variáveis espaciais e demográficas ou, simplesmente, externalidades) dos bairros da cidade de Uberlândia-MG, poderiam constituir-se em possíveis determinantes dos furtos e roubos realizados naquela cidade, no ano de 2010. A partir de uma amostra de composta por 7.463 ocorrências registradas junto ao Comando da Polícia Militar de Minas Gerais daquela cidade e, ainda, mediante a aplicação da análise de regressão linear pelo método stepwise, foi constatado que, dentre os oito tipos de externalidades urbanas analisadas nesse estudo, apenas três foram caracterizadas como variáveis explicativas de 88,16% das ocorrências relativas aos crimes estudados nessa investigação. Entre outras constatações, ao considerar os testes de ajustamento utilizados nesse estudo, foi possível observar que as evidências obtidas a partir dessa investigação poderiam atingir até 86,28% das 10.133 ocorrências relativas aos furtos e roubos realizados nos bairros de Uberlândia-MG, ao longo daquele ano.

Palavras-chave


Criminalidade; Externalidades; Métodos quantitativos aplicados

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X