Participação democrática em territórios de alta vulnerabilidade social: é possível refletir a partir do que já conhecemos?

Pedro de Almeida Costa, Rosinha da Silva Machado Carrion

Resumo


Uma preocupação central da Gestão Social é a construção e a reinvenção permanente de relações democráticas e participativas que permitam um fluxo de comunicação aberto entre sujeitos políticos, com vistas a um processo de participação política no âmbito societal. Neste trabalho, queremos particularizar esse problema para as coletividades “pouco ativas e pouco articuladas”, que chamaremos de grupos ou territórios em situação de alta vulnerabilidade social. Este artigo tem o objetivo de refletir criticamente a respeito das práticas participativas dos atores sociais de um território com essas características. O estudo foi realizado a partir do diálogo entre dados empíricos, acumuladosa partir de uma pesquisa com traços etnográficos, e alguns conceitos da sociologia de Pierre Bourdieu, diálogo esse que permitiu aos autores uma reflexão sobre as políticas públicas, bem como sobre as próprias práticas acadêmicas no campo da Gestão Social. As conclusões provisórias alcançadas apontam que existe risco de essas políticas e práticas, dadas suas condições de produção etnocêntrica, estarem deslegitimando e violentando as formas de participação construídas a partir de um habitus particular produzido nesses espaços de alta vulnerabilidade, e que os esses espaços podem ser vistos como campos nos quais se disputa a própria noção de “participação”.

Palavras-chave


Participação Social; Gestão Social; Territórios de alta vulnerabilidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X