PAPEL DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NA DISTRIBUIÇÃO EQUITATIVA DE MÉDICOS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Alex dos Santos Macedo, Marco Aurélio Marques Ferreira, Evandro Rodrigues de Faria

Resumo


A inquietação deste estudo foi analisar se a distribuição dos médicos nos primeiros ciclos (1º ao 5º - setembro de 2013 a junho de 2014) do Programa Mais Médicos (PMM) na Atenção Primária à Saúde (APS) ocorreu de forma orientada pelas necessidades de saúde da população no Estado de Minas Gerais. Para responder ao objetivo do estudo, o caminho metodológico foi delineado a partir da Análise Fatorial, a partir da qual se construiu um índice para evidenciar a necessidade de médicos na APS e, assim, verificar se a alocação dos médicos pelo Governo Federal foi orientada pelas necessidades de saúde da população. Para complementar a análise, estimou-se uma regressão logística com outras dimensões de necessidades de saúde visando observar se elas influenciavam na possibilidade de o município ter ou não sido contemplado com médicos do PMM. Os resultados sinalizam que o PMM estaria priorizando áreas mais necessitadas e, assim, contribuindo para reduzir desigualdades nas necessidades de médicos, se não fosse o fato de os dados terem apontado uma desigualdade na distribuição, uma vez que municípios que apresentaram traços ou baixa necessidade de médicos na APS receberam médicos do PMM nos primeiros ciclos. Dessa forma, os resultados sinalizam oportunidades de aperfeiçoamento da política analisada e, ao mesmo tempo, levanta questionamentos sobre os parâmetros utilizados como referência para alocação dos médicos no PMM.

Palavras-chave


Equidade. Distribuição de Médicos. Atenção Primária à Saúde. Programa Mais Médicos. Avaliação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X