PRESSÕES AMBIENTAIS NO CAMPO ORGANIZACIONAL DA CARNE BOVINA EM BIOMA PAMPA: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ARGENTINA E BRASIL

Liliana Scoponi, Marcelo Fernandes Pacheco Dias, Verónica Piñeiro, Mauricia Nori, Camila Soares Cardoso

Resumo


A produção bovina tem sido associada a problemas ambientais. No bioma Pampa, tradicional área de produção de bovinos na América do Sul, isto não tem sido diferente. Como consequência um conjunto de pressões têm surgido sobre os países produtores, suas empresas e produtores rurais. Considerando esta problemática, este artigo tem por objetivo descrever as pressões ambientais que estão sendo exercidas sobre as organizações dos campos organizacionais da carne bovina inseridas no bioma Pampa na Argentina e Brasil. Para atender a este objetivo, foram realizadas entrevistas aos atores de diferentes elos que integram estes campos organizacionais. Na Argentina as pressões coercitivas associadas as leis e disposições obrigatórias não apresentaram um grau de desenvolvimento comparativamente ao Brasil. No Brasil, a Lei n° 12.651 de 12 de maio de 2012 regula a atividade agropecuária através dos conceitos de reserva legal e área de preservação permanente. Dita lei inclui a necessidade de um registro ambiental rural que apoia o proceso de regularização ambiental das propriedades e que nada é parecido na Argentina. Em relação às pressões normativas observou-se que na Argentina estas são tão importantes quanto no Brasil. Na Argentina desde muito tempo o tema ambiental constitui uma preocupação dos organismos de pesquisa e extensão agropecuaria, incluída a universidade, e as associações de productores dedicadas a difusão e transferência de novas tecnologias. No Estado de Rio Grande do Sul esta preocupação aparece na Embrapa através da pesquisa de um sistema de produção mais adaptado ao bioma Pampa e que seja econômicamente e ambientalmente viável.

Palavras-chave


Meio-ambiente. Campos organizacionais. Pressões. Carne bovina. Bioma Pampa.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X