Minas Gerais e a cadeia global da “commodity” cafeeira – 1850/1930

Anderson Pires

Resumo


O artigo reavalia a importância e o significado histórico da economia agrária de exportação que se desenvolveu em Minas Gerais, em especial, na sua principal região produtora no período de análise – a Zona da Mata mineira. Lançando mão de alguns instrumentos teóricoanalíticos originados da obra de Innis e seus seguidores, e de outros mais contemporâneos, como os que vêm sendo apresentados pela denominada “Global Commodity Chains” (rede ou cadeia mundial de mercadorias), tentaremos posicionar essa economia além do contexto regional e nacional em que se desenvolveu, também, e, principalmente, no âmbito do mercado internacional, historicamente constituído e definido no período. Dividimos o artigo em 4 partes: na introdução faz-se uma síntese genérica dos principais argumentos das tendências interpretativas utilizadas; na segunda, uma avaliação da posição da economia regional frente ao quadro internacional da economia cafeeira no período; segue-se uma investigação das transformações internas na própria economia da Mata, sua diversificação econômica e o papel das exportações e, por fim, uma conclusão em que esboçamos alguns modelos de explicação da evolução e o papel da economia cafeeira da Mata.

Palavras-chave


Economia cafeeira, história financeira e bancária, história econômica de Minas Gerais.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X