CIRCULAÇÃO ESPACIAL DA COVID-19 ATRAVÉS DOS FRIGORÍFICOS NO SUL E NO SUDESTE DO PARÁ: IMPACTOS ESPACIAIS DE UMA “ATIVIDADE ESSENCIAL” EM MEIO À PANDEMIA

Hugo Rogério Hage Serra, Victor da Silva Oliveira

Resumo


Considerada uma atividade essencial, a produção oriunda de frigoríficos não parou suas atividades em meio à pandemia do novo coronavírus (SARS COV-19) no Brasil. As regiões Sul e Sudeste do Pará são exemplos de como tal atividade está associada aos circuitos da produção mundial. Não obstante, a circulação espacial dos insumos provenientes dos frigoríficos torna-se um dos vetores de transmissão da covid-19 devido à intensa mobilidade de trabalhadores do setor. Ao considerar a circulação espacial a principal abordagem na disseminação da pandemia através dos frigoríficos, este trabalho possui o objetivo de compreender o impacto da circulação espacial das mercadorias e das pessoas vinculadas aos frigoríficos na disseminação e prominência de casos de Covid-19 no Sul e Sudeste do Pará. A metodologia apresentada baseia-se em representações gráficas e cartográficas além de procedimentos estatísticos com dados de casos e mortes confirmados por Covid-19, taxa de isolamento social, volume em dólar de exportação de carnes, vínculos de trabalho formal em abate de bovinos e rebanho bovino, assim como decretos do Estado do Pará e de prefeituras municipais. Mesmo que não sejam determinantes, os resultados apontam para condicionantes da produção em frigoríficos e da circulação espacial impostos pela atividade na propagação da covid-19 na região Sul e Sudeste do Pará. O distanciamento social é prejudicado em municípios que possuem peso da atividade na composição do trabalho formal ocasionando elevação nos indicadores de casos confirmados e mortes por complicações da doença.

Palavras-chave


Circulação espacial. Covid-19. Frigoríficos. Pandemia. Sul e Sudeste do Pará.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






ISSN 1809-239X